Projeto "Redação em foco"

Aluno: Pedro Albuquerque
Professora Responsável: Helga Kadhyja
Turma: 2º Ano - 01 - Ensino Médio

Na atual conjuntura brasileira, uma problemática faz-se presente e afeta vários cidadãos, o trabalho infantil. Já que apresenta natureza prejudicial ao desenvolvimento e bem-estar das crianças, o mesmo é proibido e combatido pelo governo do país. Não obstante, os índices dessa prática são elevados, sendo constatado pela PNAD (Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio)2015 que mais de 2.7 milhões de crianças e adolescentes de 5 a 17 anos estavam em situação de trabalho laboral no Brasil.

Em primeira análise, a razão da dificuldade em sanar essa prática é que ela é definida como algo costumeiro, posto que com a chegada desse tipo de trabalho no antigo império brasileiro, ele foi naturalizado. Contudo, ele causa riscos à saúde dos jovens, propiciando-os a adquirir doenças, lesões e danos provenientes do serviço árduo e repetitivo. Além disso, este ato danifica as ferramentas de interação social da criança e cria um ambiente propício a abusos físicos, sexuais e à violência.

Por conseguinte, as vítimas têm baixas perspectivas para a vida e desenvolvem transtornos. Desta forma, em sua grande maioria, elas evadem a escola, pois não sentem que é necessária, ingressam no mercado de trabalho com baixo nível de escolaridade. Logo, em geral, tornam-se desempregados ou exercem funções de baixa renda.

Tendo esses fatos em vista, é essencial que esse cenário mude, portanto, o governo brasileiro ratificou a convenção número 182 da OIT (Organização Internacional do Trabalho), a qual proíbe e condena o ato, porém não pune os responsáveis. Desta maneira, são necessárias fiscalizações ministradas pelas prefeituras e apoiadas pelo Governo Estadual em fábricas e lojas, além de tornar a pena, de quem for pego comandando este crime, inafiançável. Por consequência, assegurando melhores oportunidades a essas pessoas que sofreram esta atitude e tornando a sociedade mais justa.